SÍMBOLOS LETRAS E MISTÉRIOS


Quinta-feira, Abril 19, 2007


Sadhou Sundar Singh

Sundar Singh foi um hindu convertido ao cristianismo tendo exercido a sua atividade apostólica não somente entre as populações não cristãs da Índia, mas por toda a terra. Pareceu-me interessante resumir a vida e o ensino deste apóstolo cristão. Sundar Singh nasceu em 3 de Setembro de 1889, em Rampur, no Estado de Patiala, ao Norte da Índia. De origem Sikh, foi o último filho de Sirdar Sher Singh, homem rico e respeitado, que o criou no luxo e deu-lhe uma sólida instrução. A sua mãe, que morreu quando tinha catorze anos e para quem rendia um verdadeiro culto, indicou os livros sagrados hindus, nomeadamente o Bhagavad-Gita e o Adi-Adi-Granth.

Aos dezesseis anos, conhecia os Upanishads e o Corão. Entrou em contacto com o Evangelho através de missionários presbiterianos americanos na escola para onde foi enviado. O ensino que recebeu lá o perturbava e o deixava profundamente hostil; rasgou e queimou uma Bíblia que lhe tinha sido oferecida. Mas a angústia persistia. Uma noite de Dezembro de 1904 resolveu pôr um termo às suas lutas internas e encontrar a paz imediatamente ou a morte. Pôs-se a orar em seu quarto, decidido, se não encontrasse o descanso procurado, colocaria a sua cabeça sobre o carril do trem, onde o expresso de Ludhiana passava às cinco horas da manhã. Às quatro e meia vê uma grande luz e nesta luz a forma de Cristo e escutou uma voz que lhe dizia: "Até quando perseguir-me-á? morri para você, sou o Salvador do mundo". Então compreendeu que Cristo é vivo, pensamento que lhe parecia até então inadmissível, e a paz entrou nele.

A sua família não aceitou que quisesse abandonar a religião dos antepassados para abraçar a de Jesus. Para o seu pai, representava a vergonha que recairia sobre todos se persistisse naquela idéia; um tio prometeu-lhe todas as riquezas - que eram de valor considerável - se residisse com eles. Nada conseguiu mudá-lo. Então seu pai o deserdou e o declarou "fora de casta", o que, para um Hindu, era a degradação suprema. A escola cristã foi perseguida e teve que deixar o país, ficando apenas Sundar com um camarada Sikh, que também tinha abraçado a fé em Cristo.

Em sinal de ruptura definitiva com a sua raça, cortou sua cabeleira, prática que o Granth proíbe aos Sikhs. Sundar refugiou-se em Ropur com os cristãos que trataram dele. Seu pai fez uma suprema tentativa para retomá-lo; falou-lhe com ternura, evocou a lembrança da sua mãe; mas o jovem homem permaneceu inabalável na sua decisão de servir a Cristo enquanto vivesse. No dia do aniversário dos seus dezesseis anos, em 3 de Setembro de 1905, foi batizado em Simla, no Himalaia. Trinta e três dias após, resolveu viver como santo. Sâdhou leva pigmento cor açafrão, fato consagrado por séculos, e segue, sem lar e sem dinheiro, uma vida de austeridades e privações.

A sua experiência de vida, abre-lhe a porta de todas as castas e de todas as classes, onde pôde repetidamente falar de Cristo às grandes senhoras do país. Sobre a terra congelada do Tibete como também sobre o solo tórrido do Ceilão anda descalço e conserva o mesmo vestuário e os mesmos hábitos de pobreza; Leva com ele apenas o seu Novo Testamento em língua urdu. Começou a pregar o Evangelho na sua aldeia natal, seguidamente nas outras cidades da província do Penjab; foi para o Afeganistão, o Béloutchistan e a Caxemira. Mas não estava preparado para esta existência itinerante e sofreu muito com o frio e as privações, sem falar das dolorosas mortificações. Passou por terríveis lutas internas, principalmente a tentação de voltar à casa paterna e viver como um homem de seu nível; mas nunca se deixou desviar do seu apostolado. Em 1906 encontrou um Americano, o Sr. Stokes que, durante um ano, juntou-se a ele e indicou-lhe François de Base, por quem tinha grande veneração, cedo compartilhado pelo Sâdhou. Continuando a ser só, Sundar fez, em 1908, a primeira viagem ao Tibete. Para se aperfeiçoar, fez dois anos de estudos no colégio Saint-Jean em Lahore (1909-1910). Recusou sempre os títulos que lhe atribuíam; quis ser apenas uma testemunha de Cristo. Retornou ao bispo anglicano a licença de pregar que este o tinha concedido, explicando que queria anunciar o Evangelho onde Deus o enviasse. Em 1912 percorreu Bengala. Resolveu então jejuar durante quarenta dias e quarenta noites; retirou-se na selva e passou este tempo a conversar com Cristo. À medida que as suas forças físicas declinavam, o seu espírito encontrava-se vivificado e a sua dependência, no que diz respeito a Deus. Guardas florestais encontraram-no completamente esgotado e transportaram-no à Dehra Dun, seguidamente à Annfield onde foi cuidado. Em 1913 e 1914 percorreu o Sikkim, o Bhutan e o Nepal. Seguiu Sundar pregando no Sul da Índia, no Ceilão, na Birmânia, na China e no Japão. Em 1918 visitou a América e a Europa. Em Outubro de 1919 voltou a Rampur; havia catorze anos que não via seu pai; este se converte e Sundar o batizou. Em 1920, Sundar Singh foi à Inglaterra, onde o diretor do Colégio missionário de Selly Oak disse sobre ele: "Não é tão somente acima das nacionalidades, mas também acima das igrejas". Em Março parou em Paris, seguidamente visitou a Irlanda e a Escócia. Em Londres falou a cerca de 10.000 pessoas; seguiu para os Estados Unidos, Austrália, Palestina onde freqüentemente tivesse desejado retornar. Em 1922 percorreu a Suíça, a Alemanha, e a Suécia.


Domingo, Fevereiro 25, 2007



Segunda-feira, Novembro 20, 2006

Pintura a óleo de Antonio Allegri, Correggio (1489-1534)


Correggio e o representante principal da Escola de Parma, Italia.
A produção do pintor Antonio Allegri, chamado Correggio, corresponde ao estilo com o periodo da arte
cinquecentista italiana na época do Manierismo ( El Greco ), primeira metade do s.XVI.




Sábado, Novembro 18, 2006



Domingo, Outubro 08, 2006
Querido leitor do blogue:

Peço desculpas pelo meu silêncio nestes três meses e pouco para reflexão
e também para analise profundo do beneficio dos meus escritos já que o tema
e um pouco complexo. Também devo pensar como arrecadar
fundos para continuar com este projeto ( agradeço idéias dos leitores ), de
preservação da cultura cristã, historia do cristianismo, historia dos grandes
personagens místicos cristãos conhecidos ou anônimos para preservação desta "obra aberta"
e rico patrimônio cultural da humanidade, claro que sem esquecer todas as pessoas que
trabalharam para o bem, que colaboraram nesta gigantesca tarefa às vezes
conscientes e às vezes conduzidas por uma força interior, ou cumprindo simplesmente
com a Vontade do Pai, ou bem intencionadas apenas seguindo a Luz e colaborando.
Hoje este blogue brasileiro recebe visitas do mundo inteiro com elogios de pessoas
destacadas do mundo da literatura e de universidades internacionais. Se torna
fundamental uma revisão seria do seu conteúdo e do seu formato inicial tornando este um espaço mais aberto.
Peço ao leitor paciência para estas revisões.
Estamos trabalhando para melhorar.

Projeto aberto aceito sugestôes, doações e colaboradores, entrar em contato com

Antonio Carlos Gomes de Castro
gomesdecastro@gmail.com
Rio de Janeiro

Tels.
cel. ( 55-21) 91- 22- 57- 11
com. ( 55-21) 25- 22- 18- 41




Segunda-feira, Junho 26, 2006



Templários em Portugal

Brasão de Tomar, distrito de Santarém
Ordenação heráldica do brasão e
bandeira
Armas - Escudo de ouro com uma torre torreada de negro, aberta e iluminada
de prata, acompanhada em chefe da cruz
dos Templários, e da Cruz de Cristo e
a mesma torre assente num monte de
verde cortado por um rio ondeado de
prata aguado de azul. Coroa mural de
prata de cinco torres. Listel branco
com a legenda a negro : " TOMAR ".*

Ref: Wikipédia - Ordem dos Templários

Ref: Sérgio Horta

Ref: Wikipédia - Convento de Cristo em Tomar

Ref: Wikipédia - Gualdim Pais

Ref. Jornal da Cidade de Tomar

As Cruzadas, Portal da História

Ref: Ordem de Cristo

Ministério da Cultura de Portugal

GRCI - The Office of International Cultural Relations of Portugal


Segunda-feira, Junho 26, 2006


Sexta-feira, Junho 09, 2006


Tirei esta foto no interior da Igreja Maronita
com autorização do Padre Antônio que celebrou a missa
no rito litúrgico bizantino, achei este vitreaux muito interessante.
A Igreja Maronita Nossa Senhora do Líbano fica na rua Conde de Bonfim
na Tijuca no Rio de Janeiro, aprox.200 metros da estação de metrô Praça Saens Pena,
para quem quiser visitar e perceber detalhes,
este vitreaux foi doado pela familia Jabour, muito interessante também
são as portas de ferro fundido na entrada com figuras religiosas.

Ref: Igreja Maronita do Brasil






Sexta-feira, Junho 09, 2006


Domingo, Maio 14, 2006

Virgen Bizantina

Dia das Mães

Homenaje al Dia de Las Madres

Mother´s Day


Terça-feira, Maio 09, 2006


Segunda-feira, Maio 01, 2006



Domingo, Março 26, 2006

Páscoa na Guatemala, tapetes artesanais de serragem coloridos dos indios Mayas guatemaltecos
feitos nas ruas durante Semana Santa, visite os sites e conheça esta rica cultura centroamericana,
e os festejos cristãos deste povo maravilhoso.

Ref: Guatemala en 360 grados




Sábado, Março 11, 2006


Última Ceia de Aleijadinho "Em verdade vos digo, um de vós me há de entregar"
figuras entalhadas em madeira policromática, Congonhas, Minas Gerais

Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho nasceu em Vila Rica, hoje
Ouro Preto, Minas Gerais no ano de 1730 filho da escrava Isabel com o
mestre-de-obras português Manuel Francisco Lisboa.
A obra de Aleijadinho mistura diversos estilos do barroco. Nestas estão
presentes características do rococó brasileiro e dos estilos gótico e
clássico. Utilizou como material para suas obras de arte, a pedra-sabão e a madeira.


Ref: Universidade Federal de Ouro Preto

Ref: Guggenheim Museum - Brazil Body and Soul

Ref: Wikipédia - Aleijadinho
Sábado, Março 11, 2006


Domingo, Fevereiro 26, 2006


Domingo 19 de fevreiro de 2006 fui convidado para assistir ao
rito litúrgico da Igreja Católica Greco-Melquita do Rio de Janeiro
na rua República do Líbano 17 no centro ( Downtown )
pelo Presidente do conselho Sr. Milad Moussaouba ( meu amigo a muitos anos, o vemos de terno aplaudindo na foto ),
aonde tirei algumas fotografias que edito no meu site.
Parabéns ao esforço do padre George Khoury pela reforma da Igreja. Depois do culto
tive a honra de ser apresentado a Sua Excelência Arcebispo Dom Fares Maakaroun que celebrou
a liturgia bizantina em árabe, grego e português também seguida no Libano, Síria, Egito, Jordânia e Palestina.
Também tive o prazer de conhecer ao padre Antônio Bazouni da Igreja Católica Maronita, e algumas outras autoridades
da Igreja Católica como também estava representada a Congregação Beneditina, todas pessoas extraordinarias.
Parabéns a estas Congregações pelo seu magnifico trabalho abnegado, dedicação e caridade
Verdadeira obra de amor.

História
Bizâncio - Constantinopla - Istambul

Fundada no fim do séc. 7 a.C. a atual Istambul ( Turquia ) surgiu
como colônia grega, com o nome de Bizâncio, possessâo macedônica e romana no inicio do séc. 2 a.C.
Constantino o Grande, Imperador de Roma ( 280 - 337 d.C.) transferiu sua corte para Bizâncio em 330 d.C.
sendo denominada Constantinopla.

Em 379 subiu ao trono Teodósio o Grande ( 346 - 395 ) . Este dividiu o Império Romano em duas partes,
que destinou em legado aos filhos
Honório e Arcádio. Ao primeiro coube o Império de Ocidente ( capital Roma ), e ao segundo
o Império de Oriente capital Constantinopla,
a morte de Teodósio em 395 d.C. marca o inicio do Império Romano de Oriente ou Império Bizantino.

O Império Bizantino foi um baluarte da civilização cristã. Suas bibliotecas guardaram as obras dos historiadores,
sábios e oradores da êpoca helênica e da romana.

No final da dinastia bizantina com o último emperador cristão em Constantinopla: Constantino XI Dragasés em 1453
a transmissão da cultura helênica ao Ocidente foi um dos fatores que provocaram o Humanismo e o Renascentismo.



Ref: http://www.melkite.org/

Visite também este site: www.ecclesia.com.br



Domingo, Fevereiro 26, 2006


Quinta-feira, Fevereiro 09, 2006
"Anything that can hurt the convictions of someone else, in particular religious convictions, should be avoided. Freedom of expression should be exercised in a spirit of responsability,"
Jacques Chirac, President of France

I pray for tolerance in the world


Domingo, Janeiro 01, 2006
Blogosfera, do blogue de misticismo cristão ou dos blogues do mesmo tema


Sexta-feira, Dezembro 16, 2005


Pintor
MURILLO, Bartolomé Esteban
( 1617-1682, Sevilla, Espanha)



Domingo, Novembro 27, 2005

O LAPIDÁRIO de MARBODE de RENNES, (Marbod, Marbodus ou Merboldus)


Teólogo beneditino que nasceu em Angers na França, no ano de 1035 e viveu até 1123.
Escreveu o famoso tratado sobre as virtudes e propriedades terapêuticas das pedras preciosas
ou gemas " LIBER LAPIDUM ", um importante lapidário hexamétrico em latim,
conhecido sob o nome de Lapidibus (ou Liber lapidibus), que possui mais de 125 manuscritos
e que foi traduzido em hebreu, francês, dinamarquês, espanhol, inglês, irlandês, italiano...
De Lapidibus compreende um prólogo, 60 estrofes consagradas cada uma à uma pedra e um épilogo
em o qual Marbode, constatando que o seu livro não se refere unicamente às gemas, propõe
o termo Lapidum para designar o seu tratado (Propter quod Lapidum titulo liber iste notatur).
Este lapidário é largamente inspirado das obras de Theophrastos e de Dioscoride.

O Papa Urbano II (1088 -1099) nomeia-o Bispo de Rennes. Tendo uma vida bastante agitada
durante a sua juventude Marbode terá, a partir da sua chegada a Rennes, uma conduta sem censura
e conforme com as suas funções. Nomeado administrador da diocese de Angers em 1109,
Marbode, se retira aos 88 anos, ao mosteiro Santo Aubin em Angers, onde morre pouco tempo após.
Os escritos de Marbode foram publicados pela primeira vez em 1524 em Rennes e
reeditados por Beaugendre em Paris no ano de 1708, escreveu sobre a vida de diversos santos e também
escreveu hinos e poemas, a mais conhecida das suas obras, o Lapidário (Liber Lapidum), este termo
designando os tratados consagrados às propriedades e às virtudes das pedras preciosas. Ropartz em 1873
Biblioteca de Geociências da Universidade de Rennes possui uma cópia de uma tradução do lapidário de Marbode.
Com o tempo, o valor atribuído às gemas evoluiu pouco a pouco e, para além das virtudes que se têm sido atribuído
muito cedo pelos povos orientais, têm adquiridos, pouco a pouco, um significado simbólico muito forte
e foram utilizadas cada vez mais em campos diversos tais como a medicina.
É assim por exemplo que, de acordo com o Êxodo, em Hebreus o peitoral do Grande Pontifice
comportava doze gemas diferentes representando cada uma as doze tribos de Israel.
As virtudes das pedras foram desde muito cedo transmitidas por escrito,
mas são os escritos de Marbode de Rennes, deste teólogo francês (1035-1123) que permaneceram mais famosos.

Exemplo:

* a ágata é boa para a vista;
* o jaspe é soberano contra febre;
* a safira rejuvenesce o corpo, tranquiliza as almas receosas e alivia as cóleras do céu;
* a esmeralda é útil aos advogados e torna a razão insensatos;
*o berilo é utilizado contra perturbações do fígado e para evitar rompantes intempestivos;
* a ametista evita a ebriedade,
enfim uma inúmera quantidade de propriedades catalogadas por Marbode.

Fantástico



Domingo, Novembro 13, 2005
                

MONASTERIO de ATHOS na GRECIA

a montanha sagrada

Foi construído na metade do século 14 pelo monje Dionysious de Koryssos na região de Kastoria na Grécia, com
o apoio financeiro do imperador Alexius III Comnenos de Trapezous. Em 1535 o monastério foi destruído pelo fogo.
Foi reconstruído e desde então sua arquitetura e edifícios permanecem intactos.

É uma estrutura arquitetónica construída em uma rocha, bem acima do nível do mar. Embora o espaço interno seja
limitado, há, entretanto, não somente a igreja central, mas também diversas capelas, com muitas pinturas nas suas
paredes. Dentro do monastério há também a torre de defesa, construída em 1520 e usada periodicamente para manter
a segurança da biblioteca do monastério. O monastério é habitado hoje por uma nova e dinâmica comunidade monástica,
que empreendeu a redecoração dos edifícios velhos. Os afrescos que datam de 1546 são o trabalho do pintor Georges,
um dos representantes principais da escola de Creta na metade do século XVI. Os afrescos do refeitório tinham sido
executados em duas fases separadas: na metade do século XVI e em 1603. O monastério possui uma das coleções
mais notáveis de trabalhos da arte cristã (principalmente ícones portáteis)e manuscritos iluminados.

Ref: Holy Monastery of Dionysiou (Ministério da Cultura da Grécia) Hellenic Ministry of Culture

-misticismo


Domingo, Outubro 30, 2005

Anjo acordando o profeta ELIAS

Óleo sobre tela de Juan Antonio de Frias e Escalante
XVII° siècle (siglo XVII)
Gemäldegalerie, Berlin
Alemanha

Juan Antonio de Frias e Escalante nasceu em Córdoba, em 1633. Em Madrid foi discípulo de Francisco Ricci,
desenvolvendo uma importante carreira na capital da Espanha. Seu contato com o Alcázar provocou sua admiração
pela Escola Veneziana - Tintoretto e Veronés - e Van Dyck. Escalante será, apesar de sua morte precoce, uma
figura importante da escola madrilenha do Barroco Espanhol, como observamos em seu Cristo Muerto do Museu do
Prado. Faleceu em Madrid no ano de 1670, antecipando com suas obras o estilo rococó.





Domingo, Outubro 16, 2005



Icone Russo de Simon Ushakov, 1657
Redeemer Not Painted by Human Hands


Ref: http://www.auburn.edu

Domingo, Outubro 16, 2005


Domingo, Outubro 09, 2005


SÍMBOLO CRISTÃO, utilizado nos estandartes romanos na Batalha da Ponte Milvio, por volta do ano 312 DC, entre os
imperadores Constantino e Maxentius. "Constantino é suposto ter uma visão quando olhava para o sol que se punha. As le-
tras gregas XP ('Chi-Rho', as primeiras duas letras de 'Cristo') entrelaçadas com uma cruz apareceram-lhe enfeitando o sol, jun-
tamente com a inscrição 'In Hoc Signo Vinces' Latim para 'Sob este signo vencerás'. Constantino, que era pagão na altura (ape-
sar de sua mãe ter sido com grande probabilidade cristã), colocou o símbolo nos escudos dos seus soldados
..."

Vencida a batalha, "Constantino entrou em Roma, onde foi aclamado como o único Augusto Ocidental. Ele creditou a vitória
na ponte Mílvia ao Deus dos Cristãos, e ordenou o fim de todas as perseguições nos seus domínios, um passo que ele já tinha
tomado na Bretanha e na Gália em 306. Com o imperador como patrono, o Cristianismo, que já era muito comum no império,
explodiu em popularidade. E foi assim que a Europa se tornou cristã
."

Ref.: organizado por Antonio Carlos Gomes de Castro Domingo, Outubro 09, 2005


Segunda-feira, Outubro 03, 2005

Thomas a Kempis 1380-1471
escreveu Imitação de Cristo
primeira edição circa 1400


Sábado, Setembro 17, 2005
O Milagre cristão (Abril de 1935) escrito por Emile Besson 1884 - 1975

A divulgação do cristianismo no Império romano é um dos acontecimentos mais extraordinários da História. As viagens missionárias de São Paulo começaram no ano 38 para terminar-se em Roma no ano 64. Conduziram o apóstolo a Síria, a quase toda a Ásia Menor, a Grécia, a Chipre, a Creta, a Malta, por último a Roma. Teve que sofrer pela fé que apresentava ao mundo. A passagem da segunda epístola aos Corintios (XI, 23-33) onde enumera os mártires que sofreram estão todos na sua memória. No entanto, isto era ainda apenas repressão local e sem grande repercussão. Mas o colosso romano não demoraria a escurecer e a mobilizar todas as forças para extirpar a religião nova. É fácil compreender o seu estado de espírito. Dos cultos professados no Império, o único que era praticado universalmente era o dos imperadores, os quais encarnavam, no entender das nações, a potência romana. O culto dos deuses variava necessariamente de uma província a outra; o imperador continuava a ser o mesmo por toda a parte e tinha sobre os outros deuses, a superioridade para vingar-se, sem demora dos seus detratores. Recusar o culto ao imperador, era pôr-se em inimigo do Estado. Ora, os cristãos recusavam adorar o imperador, como recusavam servir os deuses. Levantaram contra eles o tradicionalismo e a razão de Estado. Foram lesados nos seus interesses materiais e morais pelas autoridades sempre apressadas a fazer o seu julgamneto no tribunal do César. Mas, cedo, teve-se recurso contra eles e métodos mais enérgicos. A partir do ano 64, Nero decretou uma perseguição geral que durou quatro anos e que reina sobretudo em Roma e nas províncias da Ásia Menor onde tivesse-se desenrolado o apóstolo São Paulo. Trinta anos depois, lá teve outra, mais curta mas terrível, sob Domiciano (94-96). A história das perseguições é conhecida noutro lugar e não temos a intenção de recordar-o. Queremos esboçar outra história, muito sugestiva, ela também, e que, até estes últimos meses, nunca foi escrita: a da luta intelectual do paganismo contra o cristianismo nascente. No fim de 1934 apareceu uma obra de maior interesse onde o Sr.Labriolle, professor na Sorbonne, mostra que o mundo antigo não combateu a fé nova unicamente pelo ferro e o fogo, mas que gastou contra ela dos recursos do pensamento por muito tempo, quebrando todas às sutilezas da dialética (25) o Sr. de Labriolle cita todos os escritores que combateram o cristianismo durante os seis primeiros séculos, e expõe a sua argumentação. Estes polemistas são numerosos. No entanto, quatro nomes dominam todos os outros: Celso no segundo século, Philostratus e Porfírio no terceiro, o imperador Juliano no quarto.

A obra que o filósofo Celso dirigiu contra os cristãos é intitulada Discurso verdadeiro ou Palavra de Verdade. Data de arredores do ano 178. é o primeiro inquérito exaustivo do qual o cristianismo foi objeto, do lado pagão. Conhecemo-lo apenas pela refutação que fez Origenes, setenta anos atrasado. Para Celso, o cristianismo é uma doutrina bárbara, absurda, elaborada por pessoas sem cultura em quem, de resto, recruta o gordo dos seus partidários. Os cristãos aditam de desprezar as leis, os costumes, a ciência; ora,o melhor da sua doutrina encontra-se em Platon, o seu ensino foi plagiado dos filósofos e os mistérios. A ideia de um Deus que encarna-se parece à Celso uma demência. Quanto aos milagres, são ou falsos ou relativos da magia. E nosso polemista surpreende-se que em nome de tais princípios os cristãos atacam a religião nacional, peça essencial do Estado! Aos seus olhos, o mártir não tem utilidade; os que sofrem não são, do resto, mais que apenas malfeitores precisamente punidos.



Quinta-feira, Setembro 08, 2005


Bandeira Templária


Sábado, Setembro 03, 2005
QUOD UTILIS DEUS PUTEFIERI SINET , QUOD AUTEM MAJORIS MOMENTI EST,
VULGO ADHUC USQUE AD ''ELIAE ARTISTAE '' ADVENTUM, QUANDO IS VENIT





Domingo, Agosto 28, 2005



Segunda-feira, Agosto 22, 2005


David II Teniers
La Tentation de saint Antoine (petite version)
huile sur panneau
22 cm x 16,4 cm
[louvre.edu], photo RMN

A Tentação de Santo Antônio de David Teniers


Terça-feira, Agosto 16, 2005


Les Bergers d´Arcadie de Nicolas Poussin

"Os Pastores da Arcádia"

Nicolas Poussin, nasceu em 1594, na Normandia francesa, o pintor viveu quase toda a sua vida em Roma.
Recebeu grande influência dos pintores Rafael e Ticiano nas suas obras.
Em 1640 regressa a Paris a pedido do Rei e de Richelieu para se ocupar das decorações do Museu do Louvre.
Dois anos depois não resistiu a este trabalho diferente da sua vocação como pintor e regressou a Roma que amava.
"Os Pastores de Arcádia", retrata uma cena da mitologia grega "Arcádia" no centro do quadro está
um túmulo que os pastores apontam com a inscrição "Et in Arcadia Ego".

"A lembrança da morte em meio as prosperidades da vida"




Terça-feira, Agosto 09, 2005


Helen Keller. A menina que nasceu cega e surda e veio a se tornar na maior conferencista americana,
dedicou um livro à profunda influência que recebeu das obras de Swedenborg.
No livro, com o sugestivo título de My Religion (traduzido para o espanhol com o título Luz em mi oscuridad) ela conta,
de forma muito tocante, como a mensagem dos Escritos teológicos de Swedenborg mudou drasticamente a sua vida,
tirando-a de uma outra espécie de treva e trazendo à luz da realidade espiritual.

"A saúde é o estado natural do homem. A ignorância, a pobreza, e a cobiça devem desaparecer
de modo que a luz possa prevalecer em todos os lugares."

Helen Keller



Quinta-feira, Julho 28, 2005


Pedaços dos manuscritos do Mar Morto

Foram achados em 11 cavernas em Qumran
na região da antiga Palestina entre a primavera de 1947 a 1956.








Dead Sea Scrolls

Manuscritos do Mar Morto

Os manuscritos e os fragmentos do Mar Morto achados em Qumran representam um corpo voluminoso
de originais escritos, uma "verdadeira biblioteca", datando do terceiro século
A.C. a 68 D.C., a "biblioteca" que é o maior achado de manuscritos do vigésimo século,
demonstra a rica atividade literária deste período e verte introspecção nos séculos anteriores e durante o cristianismo.
A biblioteca contém alguns livros e trabalha com um grande número de cópias, contudo outra é representada
somente com fragmentos de meras sucatas dos pedaços. O número das composições diferentes representadas é quase mil,
e são escritos em três línguas diferentes: hebreo, aramaico, e grego.



Quarta-feira, Julho 20, 2005


Nizier Anthelme PHILIPPE veio ao mundo na França o 25 de Abril de
1849 à 3:00 ao lugar dito "os Rubatiers", aldeola de uma pequena
aldeia da Savóia nomeada "Loisieux", perto de Yenne, no limite do
departamento de Ain. Este nascimento teve lugar numa casa humilde de
camponeses pobres. Durante toda a duração do parto, Marie Philippe
que, anteriormente teria recebido a visita do Cura de Ars, cheia de alegria,
cantou devagar, não sentia nenhuma dor. O Cura de Ars também
tinha-lhe anunciado que um dois seus filhos seria um ser muito elevado.
O Sr. e a Sra. PHILIPPE tiveram cinco filhos, Nizier, Benoît,
Joséphine, Auguste, Clotilde. O jovem PHILIPPE à idade de 14 anos
deixou, pés nus, a sua pequena aldeia para mudar-se a Lyon onde
habitou com um dos seus tios, estabelecido nesta cidade.






Terça-feira, Julho 12, 2005


O Nascimento e a Morte são dois fenómenos reversíveis e os dois aspectos de um mesmo acto
do drama cósmico da alma humana, enviada pelo Pai em viagem de instrução entre os mundos,
escolas escuras ou deslumbrando da Sabedoria eterna.
Um viajante embarca-se na França para a América, ao mesmo momento em que outro deixa
Nova Iorque para vir a Europa, um desaparece da França para aparecer na América,
o outro desaparece da América para aparecer sobre as margens francesas.
Assim um nascimento sobre a terra dá seguimento à uma morte em algum planeta indiscernible,
e uma morte sobre esta terra inaugura um nascimento à uma forma de vida mais perfeita.
As religiões ocidentais informam-nos apenas um pouco sobre as existências supraterrestres,
se é-se realmente um cristão, aprovará-se este mutismo, porque o cristão que pede compreender antes de crer é um cristão?
Jésus confirmou-nos a ternura e a misericórdia do Pai, o que têm por conseguinte necessidade de saber,
se nós confiamos inteiramente à ele? E se a nossa confiança exige explicações, não é mais uma confiança,
e não somos mais cristãos. Jésus interroga-nos esta confiança.
Veio para fazer-nos passar do mundo dos efeitos ao reino da causa primeira, para fazer-nos cruzar
o abismo real que separa o finito do infinito, o tempo da eternidade, devemos para aquilo sair dos nossos próprios limites,
compreender quanto o saber é precário e os nossos poderes impotentes.Ùnicamente, a fé realiza em nós esta transmutação milagrosa,
o único, o verdadeiro cristão, quando não compreende mais, adora , e quando não pode mais agir, pede à seu Pai celestial.

Paul Sédir
Traduzido do francês por Antonio Carlos

English

The Birth and Death are two reversible phenomena and the two aspects of the same act of the cosmic drama of the human heart,
sent by the Father on a journey of instruction among the worlds, obscure schools or dazzling eternal Wisdom.
A traveller embarks in Le Havre for America, at the same moment when another leaves New York to come to Europe,
one disappears from France to appear in America, the other disappears from America to appear on the French shores.
Thus a birth on the ground follows upon a death in some indistinguishable planet, and a death on this ground inaugurates
a birth with a form of more perfect life. The Western religions inform us only very little about the supraterrestrial existences.
If one is really a Christian, one will approve this dumbness, because the Christian who asks to understand before believing is a Christian?
Jesus assure us the tenderness and the mercy of the Father, what do we thus need to know,
if we trust entirely Him? And if our confidence requires explanations, it is not any more one confidence,
and we are not any more christians. Jesus asks us for this confidence.
He came to make us pass from the world of the effects to the kingdom of the cause first,
to make us cross the real abyss which separates finished the infinite one, the time of eternity, we must for that leave our own limits,
to understand how much the knowledge is precarious and our impotent capacities.
Only, the faith achieves in us this miraculous transmutation,
only, the true christian, when it does not understand any more, adores, and when it cannot act any more,
request with his celestial Father.

Paul Sedir


Quinta-feira, Julho 07, 2005

Flor de Lis (Jacobean Lily)

Sprekelia formosissima

Símbolo Cristão

Em homenagem às vítimas do terrível atentado de Londres efetuado por
terroristas e bárbaros sem piedade no dia de hoje, 7 de julho, que Deus acolha estas almas.

English
Christian symbol In homage to the victims of terrible attempted against in London effected by terrorists
and barbarians without mercy , 7 of July, God receives these souls.





Terça-feira, Julho 05, 2005

Retrato raro de Leonardo da Vinci em um selo dos correios da República Democrática da Alemanha
antiga DDR (Alemanha comunista)

English
Rare Portrait of Leonardo da Vinci in a stamp from Democratic German Republic
old DDR (Comunist Germany)


Domingo, Julho 03, 2005

Santo Sudário de Turim

Espanhol La "Verdadera" edad del Santo Sudario

Un nuevo estudio revela que el Santo Sudario de Turín es mucho más antiguo
que lo concluido en las pruebas realizadas con carbono 14 en 1988.
La investigación publicada en la revista Thermochimica Acta sugiere que la verdadera edad
del manto de lino data entre 1.300 y 3.000 años.

El autor contradice el estudio en 1988 cuando un grupo de científicos determinó que
el manto fue un engaño de la época medieval.

Los cristianos creen que el sudario, en el que se define la imagen de un rostro ensangrentado,
fue utilizado para envolver a Jesús después de haber sido bajado de la cruz.

Raymond Rogers asegura que a través de su trabajo, basado en pruebas químicas,
descubrió que la muestra analizada en 1988 forma parte de un parche de lana
con el que se reparó el Santo Sudario durante la época medieval después
de haber sido afectado por un incendio.

"La muestra que se utilizó en la investigación del carbono posee una composición química
completamente diferente a la que encontramos en el núcleo del Santo Sudario",
explicó Rogers, un químico retirado del Laboratorio Nacional de Los Alamos en Nuevo México, Estados Unidos.
BBC de Londres 27 de janeiro de 2005





Sexta-feira, Julho 01, 2005

Capela da Piedade última das quatro capelas levantadas na Serra de Ouro Preto,
no antigo Arraial do Ouro Podre. Na cruz lê-se a data de 1720. Minas Gerais, Brasil
Achei esta capela muito interessante.

English"Christian Mystics"

Chapel of Mercy, last of four chapels raised in Serra do Ouro Preto, in the old Arraial do Ouro Podre.
In the Cross you read the date of 1720, Minas Gerais, Brazil
I found this chapel very interesting.



Sexta-feira, Junho 24, 2005

La Gioconda,La Mona Lisa, a Monalisa de Leonardo da Vinci
Arte religiosa cristã.

Para o observador detalhista a Gioconda nos passa um sentimento
de suave e doce contentamento, eu diria até um sorriso espiritual,
que o gênio Leonardo da Vinci tenta nos transmitir nesta sua obra prima
e misteriosa.
O rico cidadão fiorentino Francesco Bartolomeu del Giocondo encomendou
a Leonardo em 1503 o retrato da sua esposa Lisa Gherardini Giocondo.
Da Vinci, trabalhou neste retrato até sua morte, passando após a casa real francesa.
Atualmente encontra-se no Museu do Louvre em Paris.

English "Christian Mystics"

To the sharp observer the Mona Lisa's mysterious smile is a kind of a smooth and candy
contentment, I would say a kind of a spiritual smile the genious Leonard tried to
transmit us in his prime work.
The rich merchant from Florence, Francesco del Giocondo
ordered Leonard the portrait of his wife Lisa Gherardini Giocondo in 1503,
Da Vinci worked on it until his passing away.
Currently You appreciate it in the Museum of the Louvre in Paris










Segunda-feira, Junho 13, 2005

moeda com o rosto de Dagoberto II Rei dos Merovingios


Sábado, Junho 11, 2005

Fortaleza de Montségur, França
Reduto dos cavaleiros templários


Quinta-feira, Junho 09, 2005

Carlomagno Emperador Carolingio (742 - 814)
foi canonizado pela igreja católica


Segunda-feira, Junho 06, 2005

Virgem com uma criança, Emmanuel Tzanes de Creta,1664


Sexta-feira, Junho 03, 2005
Os sete jardins místicos

Pensei que seria útil aos leitores deste pequeno manual
oferecer-lhes algumas precisões sobre os itinerários do homem à
Deus, sobre o itinerário cristão e, durante este, sobre os
caminhos mais estreitos do misticismo católico e um discipulado
perfeito. O conhecimento exato do espírito evangélico
parece-me tanto necessário que gostaria de expôr um após outros
todos os sistemas conhecidos da vida interna, os seus matizes, as
suas filiações, as suas exatidões, as suas ilusões. Mas haveria
volumes em excesso, disporía de todas as bibliotecas, podería
compreender exatamente todas as teorias? Poderá dizer a
verdade tal qual ela é? Porque, se a Natureza inteira evolui para a
perfeição, não é duas criaturas que progridem exatamente ao
mesmo passo, que seguem o mesmo caminho. O pensamento
oscila sem descansos do concreto ao abstrato, do particular ao
geral, do indivídual ao universal e, incessantemente, ela sofre a
influência do meio, o atavismo, a herança, a educação, o
exemplo, de correntes mais escuras ainda, e os silenciosos
chamados da Providência viva sucedem-se na nossa noite. Dado
que, após tudo, é sobre a terra que nos é necessário viver e
que os nossos movimentos mais sutis nos conduzem sempre à atos,
como medir o valor de um sistema, se não por seus frutos? O
sentido comum tomado aqui de acordo com o sentido divino e nós,
estáo dirigidos para o Evangelho. Estudem a curva deste
regresso. Nenhum homem que desce muito, basicamente ele sabe
que não há a presença escura de uma Realidade suprema, é, sabe
que é. Eis o Absoluto com os seus dois pólos metafísicos, Ser e
saber, com os seus dois modos: o Bem e a Verdade, com as suas
aplicações: as leis morais e os axiomas intelectuais, com a sua
realização sintética: a Beleza, harmonia da Verdade e o Bem. Eis
ainda o Absoluto, fora do homem, com os seus dois pólos
ontológicos: todas as consciências e todas as inconsciências que
individualizam-se pelas espontaneidade e as necessidades, que
exprimem-se durante as involuções e as evoluções, que
harmonizam-se e resolvendo as suas discrepâncias pelos mistérios
conjugados de uma Providência e um Salvador, onde
reencontramos as Pessoas divinas, ou seja os modos que adopta a
Realidade suprema para fazer-se aceitar de nós. O conhecimento
da Verdade e a arte do Bem reunem-se praticamente na Religião,
forma social do terceiro protótipo, a Beleza. Estes três termos,
que limitam o conjunto dos fenómenos naturais e os atos
humanos e limitam a Natureza inteira, preenchem as ciências, as
artes, a política e concentra-se no homem, objeto de todos os
esforços, agente de todos os trabalhos, destinado a reunir em si a
tripla vida do absoluto, o mundo e a terra, pelo seu trabalho geral que a Providência guia

Paul Sedir



Quinta-feira, Junho 02, 2005

Pirámide e esfinge de Gizeh no EGITO
onde viveram José e Maria quando fugiram do Rei Herodes



Jerusalém, Terra Santa, Israel


Quarta-feira, Junho 01, 2005

Moedas Antigas
Alexandre O Grande
323 anos antes de Cristo (B.C.)
Dominou quase todo meio oriente




Homem Vitruviano de Leonardo da Vinci
Renascentismo humanista e clássico

Inspirado no livro do arquiteto romano Vitruvius Pollio (70 a.C.-?),
"De Architetura"
que explica a relação entre simetria e perfeição,
o desenho mais famoso de Leonardo seria um pentagrama humano,
com o corpo de um homem dentro de um círculo
simbolizando o equilíbrio entre masculino e feminino.



Terça-feira, Maio 31, 2005
Irmás Hospitalarias (Templárias)


Segunda-feira, Maio 30, 2005
Carta dos leitores do meu blog

Caro Antonio Carlos

Foi uma surpresa ótima encontrar seu blog sobre misticismo cristão na internet, ele está excelente. As referencias que vc coloca são raras, como Sedir e Marc Haven, infelizmente desconheço no país obras traduzidas desses escritores, e mesmo o próprio Papus sendo muito popular, tem pouquissimos livros traduzidos. Fico contente em encontrar alguém devotado a escola francesa naquilo que ela possuia de mais essencial. Deixo meu mais cordial abraço ao amigo e espero que possamos trocar alguns emails.

abraço

Emmanuel
em.trm@terra.com.br


Sábado, Maio 28, 2005
O 3 de Fevereiro de 1926 apagava-se em Paris uma das vozes
mais prestigiosas e mais comovedoras que me foi dada de
entender uma voz que verteu no coração de numerosos
seres a consolação, a certeza, a paz, a voz de Sedir.Uma voz,
dizia o poeta Théophile Briant, que se consagra
anos à divulgação do Evangelho e que punha-nos em guarda
contra as prostituições multiplicadas da Palavra, a dívida
do nosso tempo, dizia Paul Sedir, será pesada, onde a tanta prosa
insalubre imprime-se, onde as tantas palavras vazias e nefastas
são lançadas desde a parte superior das tribunas.O
silêncio, escrevia em 1923, não é a Não fala, é um ato
positivo, uma força afirmativa, é um gênio, é um Deus, é um
reino escondido, e progride, da mesma maneira que a criatura,
entre dois conselheiros, um anjo de Luz e um anjo das Trevas.
"Tudo fala no Universo, mas também qualquer escuta"
geralmente procura-se saber o que as criaturas dizem, mas os
sábios preocupam-se antes de conhecer o que calam. "Se o
mundo dos sons contem o alimento intelectual do nosso
espírito, o mundo do silêncio é o do mistério, o lugar das
reservas ideais, o reino original da Verdade, a Beleza e o
Bem." As portas são estreitas e não se encontra-o ate após
muito tempo de ter vagueado nos campos da palavra. É necessário
ter experimentado a precisão do provérbio persa:"A palavra
que reténs é o teu escravo a que escapa é o teu mestre.
Quem pode prever as conseqüências de uma palavra? A
palavra está entre dois silêncios como o tempo entre duas
eternidades, como o espaço entre dois infinitos. Falar, é
semear, mas no silêncio celebram-se os mistérios, há os deuses, há as almas.


Emile Besson sobre Paul Sedir






O Reino de Deus

As Bem Aventuranças


Erguendo os olhos para os seus discípulos, dizia:

Bem-aventurados vós, que sois pobres,
porque é vosso o reino de Deus.
Bem-aventurados vós, que tendes agora fome,
porque sereis saciados.
Bem-aventurados vós, que chorais agora,
porque haveis de rir.
Bem-aventurados sereis, quando os homens
vos odiarem e quando vos rejeitarem, vos ultrajarem
e proscreverem o vosso nome como malvados,
por causa do Filho do homem.
Alegrai-vos e exultai naquele dia, pois será grande
no céu a vossa recompensa; porque desse modo é que
faziam seus pais com os profetas.
Mas ai de vós, ricos, porque recebestes
já a vossa consolação.
Ai de vós, que estais agora fartos, porque haveis de ter fome.
Ai de vós, que agora rides, porque haveis de gemer e chorar.
Ai de vós, quando todos os homens de vós disserem bem;
porque desse modo é que faziam seus pais
com os falsos profetas.



Sexta-feira, Maio 27, 2005

Manuscritos do Mar Morto,Nag Hammadi
Qumram



Quinta-feira, Maio 26, 2005

El Cid Campeador

Rodrigo Diaz de Vivar nasceu em Vivar,Burgos na Espanha aprox.no ano 1049
Em 8 de março de 1064 ocorre a Batalha de Graus onde Rodrigo Diaz, de Vivar,
acompanha o futuro rei Sancho, que vence o rei aragonês Ramiro I.
Em 1066 Rodrigo Diaz, de Vivar, é armado cavaleiro pelo rei Sancho.
Em agosto de 1067 ocorre a guerra dos três Sanchos
(Sancho de Castela contra Sancho de Navarra e o primo Sancho de Aragon).
Por volta deste período Rodrigo Diaz, de Vivar, ainda adolescente,
vence seu primeiro duelo com um cavaleiro Navarro de nome Jimeno Garcés,
e passa a ser chamado de "El Cid Campeador"



Quarta-feira, Maio 25, 2005


Brasão da Ordem de Malta


Terça-feira, Maio 24, 2005

Caminho de Santiago de Compostela

Castelo de Ponferrada dos Cavaleiros Templários na Espanha, León

O Caminho de Santiago de Compostela é uma via de peregrinaçao cristã,
que vai desde a Peninsula Ibérica até Santiago de Compostela, aonde está
o túmulo do apóstolo São Tiago, lugar sagrado para os cristãos de todas
as épocas.
__________________________________________________________________


Segunda-feira, Maio 23, 2005
Christus Antiquus Ordo Mysticusque Prioratus Sionus Defendit
"Cristo defende a Antiga Ordem Mística da Prieuré du Sion" ,
Monastério ou Priorato de Sião, The Prieure du Notre Dame du Sion,
o Priorado de Sião



Sábado, Maio 21, 2005

Padre Bérenger Sauniére(1852 - 1917)
Mistério do castelo de Rennes-le-Château,Sul da França

O 24 de janeiro de 1917 no pequeno cemitério de Rennes-le-Château, umas poucas pessoas observam em silêncio o lento descenso do ataúde de Bérenger Saunière. Quantas delas verdadeiramente conhecem o segredo que se leva consigo este carismático padre?
Teremos que esperar os anos 60 para que alguns espíritos perversos? se esforcem colocá-lo à luz, acordando desse modo a curiosidade de numerosos buscadores da verdade.
Desde então, o fenômeno não pára de crecer provocando um boom literário, de conteúdo muitas vezes duvidoso, apesar disso, sem que se tenha chegado a uma explicação satisfatória sobre as causas da repentina fortuna de Bérenger Saunière, causas que seguem sendo o insondável mistério deste assunto.






Quinta-feira, Maio 19, 2005

Patriarca da Igreja Siríaca Ortodoxa de Antioquia
SS Mar Ignatius Zakai I, Iwas, 122º da sucessão petrina

Esta foi a segunda comunidade dos primeiros cristãos fundada depois de Jerusalém
na Siria

HISTÓRIA

A Igreja Sirian Ortodoxa Santa Maria estabelecida a Rua Padre Musa Tuma nº 3 na Vila Clementino em São Paulo - SP, é formada pela comunidade Sirian ou Siríaca radicada no Brasil, mais especificamente em São Paulo, oriunda dos países do Oriente Médio entre eles Turquia, Síria, Líbano, Iraque, Palestina e Jordânia.
Ligada diretamente à Cátedra Siríaca Ortodoxa de Antioquia, com sede atualmente em Damasco na Síria.
A Igreja Sirian Ortodoxa Santa Maria é mantida pela Comunidade Beneficente Sirian Ortodoxa Santa Maria fundada em junho de 1981 e vem continuamente desenvolvendo atividades religiosas culturais e assistenciais.
O Patriarca atual é SS Mar Ignatius Zakai I, Iwas, 122º da sucessão petrina.





Quarta-feira, Maio 18, 2005

Ícone Copto

Os primeiros cristãos:

No século V a Palestina era praticamente toda cristã, tendo aderido à fé em Cristo a maioria da população local, como resultado natural da pregação do Evangelho, e sem qualquer tipo de pressão. A maior parte dos cristãos nativos que há na Palestina gloriam-se de serem descendentes dos primeiros cristãos da primeira hora, embora tenham deixado de falar a língua aramaica, que se falava no tempo de Jesus; com as invasões muçulmanas acabaram por ser arabizados, passando falar o árabe, inclusive nos ofícios litúrgicos. Causa uma viva emoção conversar e lidar com estes cristãos, pois se tem a sensação de se estar mais perto de Jesus Cristo e dos seus Apóstolos.

Tinham ficado poucos judeus, após a destruição de Jerusalém e do seu templo no ano 70, e sobretudo após o esmagamento total de focos de resistência judaica, pelo imperador romano Adriano, no ano 135. Então Jerusalém foi de novo arrasada e os judeus proibidos de ali entrar sob pena de morte, proibição que não atingia os cristãos. O impedimento só veio a ser levantado pelo primeiro imperador cristão, Constantino, embora com algumas restrições. Foi ainda no século IV, por iniciativa de Santa Helena, mãe de Constantino, que começaram a ser construídos grandes santuários a assinalar os lugares mais importantes da vida de Cristo.

No século VII tiveram início as devastações dos cristãos levadas a cabo pelos sucessivos invasores da Palestina: Em 614 os persas semeiam a destruição e a morte. Pouco depois vem a conquista pelos muçulmanos comandados pelo célebre califa Omar, em 636; inicialmente houve tolerância para com os cristãos até que chegou ao poder a dinastia egípcia dos Fatimidas, tendo Al-Hakim ordenado em 1009 a destruição do Santo Sepulcro e a perseguição dos cristãos, mas a situação ainda se agravou mais com a chegada dos turcos Seljúcidas em 1040; estes impedem os cristãos de entrarem em Jerusalém. Foi esta situação de opressão intolerável que, nos fins do século XI, levou os cruzados a lançarem-se à conquista do Lugares Santos; em 15 de Julho de 1099 entram em Jerusalém, tendo criado o Reino Latino de Jerusalém (com Balduíno I). Em 1187 os Cruzados são derrotados por Saladino, tendo acabado por cair o seu último reduto em S. João de Acre no ano de 1291.

Com tudo isto, a situação veio a agravar-se para os cristãos autóctones da Palestina. E as coisas pioraram com os mamelucos, vindos do Egipto (1260-1516). Seguiu-se-lhe, com Solimão, o Magnífico, o longo período turco otomano, de 400 anos, uma época de empobrecimento, até que, a partir de 1831 até 1917, a administração foi saneada e se favoreceu a liberdade religiosa e as relações com o Ocidente, tendo aumentado a comunidade judaica com a imigração.

Ref.autor
Geraldo Morujão - Os Cristãos na Terra Santa.
Ref.Bibliografica:
Florentino DÍEZ, Guía de Tierra Santa. Historia y Arqueología, Estella, Ed. Verbo Divino, 1993
J. GONZÁLEZ ECHEGaray e Outros, La Biblia y su entorno, Estella, Ed. Verbo Divino, 1993
Rina GEFTMAN, Guetteurs d¿espérance
Revista "Palabra", Madrid, passim



Terça-feira, Maio 17, 2005

Bom, como vocês podem ver, outra foto minha
desde o Rio de Janeiro



Este sou eu, Antonio Carlos Gomes de Castro
o editor deste blog, trabalhando para você no computador



Segunda-feira, Maio 16, 2005

Karl Gotthelf Reichsfreiherr von Hund und Altengrotkau (1722-1776)
Cavaleiros Templários


Sábado, Maio 14, 2005
Cavaleiro Templário


Quarta-feira, Maio 11, 2005
A CARIDADE

A iniciação evangélica propõe apenas um só
objetivo: o cumprimento da vontade do Pai; e um
trabalho: o amor fraternal; e um método: a
renúncia e o pedido. Dirige-se apenas ao coração,
não emprega nenhum treino, não necessita de
nenhum regime. É bastante simples de modo que uma
criança compreenda-a e, ás vezes, mais terrível
que as austeridades dos sabios orientais (Rishis)
seculares. É silenciosa, mas a voz do seu
discípulo pode resentir até além das constelações
; é suave, porque de um sorriso o Amigo dá-nos a
força para um século de trabalhos; mas,
infelizmente, é muito desconhecida, porque os
homens correm após o estranho, o raro e a
luminosidade. Não importa quais trabalhos únicos a
existência pede-nos e desenvolve-nos, mas
avançamos sobre a estrada apenas pela caridade.
A Caridade é a pátria do discípulo; se ele a
abandona, deixa de ser um discípulo. As outras
pátrias do homem imortal: a ciência. a arte, o
pensamento, os negócios, o trabalho manual,
pertencem ao universo do Destino. A caridade, a
ela únicamente constitui o universo da
Liberdade. Dirigindo-se no Destino, os homens
imaginan-se ser livres, e são realmente apenas
escravos. Enquanto entram no Amor da oferenda
deles mesmos aos seus irmãos e à Deus, então, sob
a sua aparência de escravos, vivem felizes na
Liberdade.
O "meu jugo é suave, anunciou Jesus, e a minha
carga é leve".

Texto de Paul Sedir sobre A Caridade traduzido do
francês por Antonio Carlos Gomes de Castro


Sábado, Abril 23, 2005
misticismo cristo
misticismo cristão
misticismo crist?o
Christian Mystics
Christlicher Mystizismus
MystikMysticism
Mysticism Chrétien
Mystiques Crétiens
misticismo cristiano
христианское mysticism
χριστιανικός μυστικισμός




La Charité (1878)
A Caridade
Charity
Adolphe-William Bouguereau (1825 - 1905)
Ref.http://www.painterskeys.com/clickbacks/wline.asp


Terça-feira, Abril 19, 2005
HABEMVS PAPAM
BENEDICTVM XVI



Parabéns Roma, temos Papa
Que o Cristo guie os passos do nosso Papa Bento XVI (Cardeal Joseph Ratzinger)
para uma maior união entre cristãos,
e um bom entendimento com as outras religiões e ideologias,
que olhe pelos direitos humanos,
Deus abençõe o seu Papado
e o Espíritu Santo esteja sempre com ele.

Antonio Carlos Gomes de Castro



Segunda-feira, Abril 18, 2005

Ref.www.livres-mystiques.com/partieICONES/Icones/Diapo4/grande3.jpg
Simbologia Cristã


ícone da
Cristandade


Quarta-feira, Abril 13, 2005

IHS Catacumbas
Paz


Terça-feira, Março 29, 2005

Philippe de Lyon










Sábado, Março 26, 2005

The Last Supper
Última Ceia de Leonardo Da Vinci


Domingo, Março 20, 2005


NOTIMEX

Roma, Italia, 19 de marzo, 2005 (Notimex) - El Papa Juan Pablo II habría sufrido una
nueva crisis respiratoria el pasado miércoles y ante el deterioro de su salud sería
inminente un nuevo consistorio para nombrar a varios cardenales, aseguró el
vaticanista Orazio Petrosillo.

En un artículo publicado en el diario Il Messaggero, Petrosillo afirmó que el pasado
miércoles se difundieron versiones sobre una nueva crisis de salud de Karol Wojtyla,
quien apenas fue dado de alta el pasado domingo del policlínico Gemelli de Roma.

Juan Pablo II permaneció internado en el hospital Gemelli durante 18 días luego
de practicarle una traqueotomía.

De hecho, el Papa lució muy frágil el jueves durante un enlace televisivo desde su
departamento, en el Palacio Apostólico, con jóvenes reunidos en la basílica romana
de San Juan de Letrán, en una ceremonia preparatoria para la Jornada Mundial
de la Juventud.

La presencia del Papa en la Jornada de la Juventud, que tendrá lugar en agosto
próximo en la ciudad alemana de Colonia, ha sido confirmada meses atrás,
pero en su mensaje del jueves, Wojtyla no hizo ninguna referencia a su participación.

De hecho apareció muy frágil y demacrado, al punto de que el Centro Televisivo Vaticano
debió cortar abruptamente la transmisión.

"En estos momentos muy delicados por la salud del Papa o quizás por ello,
se refuerzan esperanzas y expectativas para un consistorio de nuevos cardenales",
dijo Petrosillo.

Aseguró que aunque el Vaticano no ha confirmado nada, se habla de que
durante la próxima Semana Santa se anunciaría el consistorio, que
tendría lugar en abril o mayo próximos.

"Están en juego unas 20 púrpuras (designaciones cardenalicias),
algunas de ellas clamorosas, como la del secretario particular (del Papa),
Stanislao Dsiwisz, sea él o no el cardenal 'in pectore' (secreto) nombrado hace dos años",
dijo.

Recordó que que con los 80 años cumplidos hoy por el cardenal ecuatoriano
Antonio González, descienden a 117 los purpurados con derecho a voto
(los menores de esa edad) en el cónclave que elegirá al sucesor de Juan Pablo II.

Y aunque el límite de cardenales electores es de 120, Petrosillo recordó
que ya en otras ocasiones Wojtyla ha superado ese número.

Entre los nuevos cardenales estarían Francisco Robles Ortega,
arzobispo de Monterrey, México, además de los actuales arzobispos
de Bolonia, París, Boston, Manila, Dublín, Asunción, Burdeos, Montevideo,
Hong Kong, Calcuta, Hanoi, Barcelona o Toledo.

NTX




Sexta-feira, Março 18, 2005

Igreja de CASTRO dos padres jesuitas na Ilha de Chiloé, Chile

Localiza-se em Castro, na praça da cidade, e é a maior das ilhas de Chiloé.
Sua principal festa ocorre a cada 4 de outubro em honra ao Apóstolo Santiago.

O edifício foi construído entre 1910 e 1912 depois de o templo anterior fosse
reconstruído em várias oportunidades até sua destruição em 1771. O propulsor
da obra foi o padre franciscano Angel Subir e o projeto é trabalho do arquiteto
italiano Eduardo Provasoli que conjuga estilos neogótico e clássico com a
tradição de construção local.

Utilizou-se mão de obra local e madeiras como alerce, cipreste, coigue e
outras, conhecidas como coloradas, como raulí e olivillo. A fachada, teto e
foros exteriores são de ferro galvanizado.

Foi declarada Monumento Nacional em 19 de julho de 1979
e Patrimônio da Humanidade em dezembro de 2000.




Domingo, Março 13, 2005



Quarta-feira, Março 09, 2005

LA MEDAILLE DU CAMPO DEI FIORI



Segunda-feira, Março 07, 2005



Domingo, Março 06, 2005
Primeiro diário da web brasileira de Misticismo Cristão
autor com direitos autorais registrados 2006
Antonio Carlos Gomes de Castro

gomesdecastro@yahoo.com

Web log about Christian Mystic




Quinta-feira, Março 03, 2005

Giuseppe Balsamo,de Palermo,Sicilia
Conde Alessandro de Cagliostro (1743-1795)
Místico Cristão


ref. www.herodote.net/ histoire01252.htm
Chateau de Versailles


Domingo, Fevereiro 27, 2005
"Yo no soy de ninguna época ni de ningún lugar. Estoy fuera del tiempo y del espacio. Mi ser espiritual vive su eterna existencia, y si me sumerjo en mi pensamiento rehaciendo el curso de los años, si proyecto mi espíritu hacia un mundo de vivir lejano de aquel que vosotros percibis, devengo el que deseo.
Participando en el Ser Absoluto, regulo mi acción según el medio que me circunde. Mi nombre es el de mi función, y yo lo elijo como elijo mi función. Pero soy libre. Mi país es aquel donde momentaneamente permanecen mis pasos.
Yo soy el que es.
No tengo más que un padre. Diversas circunstancias de mi vida me han hecho llegar a esta gran y conmovedora verdad, pero los misterios de este origen y las relaciones que me unen a este Padre desconocido son y permanecen en secreto. Aquellos que serán llamados en el futuro a entreverlas como yo, me comprenderán y me aprobarán. En cuanto al lugar, donde el cuerpo mío material se educó en esta tierra, tiene cuarenta años. En cuanto a la familia que elegí para esto, quiero ignorarla. No quiero acordarme del pasado para no aumentar la responsabilidad, ya pesada, de todos aquellos que me han conocido, porque está escrito: "Tú harás caer el cielo".
No he nacido de la carne ni de voluntad del hombre. He nacido del espíritu. Mi nombre, que es mío, aquel que elegí para aparecer entre vosotros, es aquel que reclamo, los que me han sido dados en nacimiento o durantre mi juventud, aquellos por los que fuí conocido, son de otro tiempo y lugar.
Los he dejado, como habré dejado mañana los vestidos pasados de moda.
Pero soy noble y viandante, Yo hablo y vuestras almas atentas reconoceran las antiguas palabras. Una voz que está en vosotros, y que callaba desde hace mucho tiempo, responderá a mi llamada.
Yo obro, y la paz viene a vuestros corazones, la salud a vuestros cuerpos y la esperanza y el ánimo a vuestras almas.
Todos los hombres son mis hermanos.
Todos los paises me son queridos. Yo los recorro siempre, a fin de que el Espíritu pueda descender por una calle y llegar a vuestro lado.
No pido al rey, cuyo poder respeto, más que la hospitalidad sobre sus tierras, y cuando esta me ha sido negada, paso realizando en torno a mí el mayor bien posible, pero no hago más que pasar.
Soy un noble viandante.
Como el viento del sur, como la resplandeciente luz del mediodía que caracteriza el pleno conocimiento de las cosas y la comunicación activa con Dios, así voy hacia el norte, hacia la niebla y el frío, abandonando por todas partes a mi paso alguna porción de mi mismo, desprendiéndome, disminuyendome en toda parada, pero dejandoos un poco de luz, un poco de calor, hasta que haya llegado al término de mi carrera.
Entonces la rosa florecerá sobre la cruz."

Yo soy Cagliostro.




Quarta-feira, Fevereiro 16, 2005
JESUS MIHI OMNIA


A LUZ

De natureza incorpórea, com espiritual magia,
chegas trazendo alegrias a todo teu redor.
De procedência divina, tua imponência domina,
todos os cantos do universo, até a mais cruel escuridão.

Ês veloz como o pensamento,
ès a força do sol,
traspassas as turbulências, o vento,
és a alma do farol.

Trazes calor, és fonte de vida, és sutil,
atrevida, tua presencia me seduz.
Tua chegada clareia os sendeiros,
os caminhos, os terreiros e todos te chaman Luz.

Poesia de Alan Gomes de Castro





Arte cristã Ocidental
Enigmas Cristãos


Domenico Fetti (Roman, 1589 - 1623)
Le voile de Véronique
Samuel H. Kress Collection, U.S.A.
Copyright 1999 : National Gallery of Art, Washington D.C.
Chemin d´amour vers le Père





Terça-feira, Fevereiro 15, 2005
Blog vem do termo inglês Web Log, cujo significado atual é algo como "diário da web".
Existem diferentes tipos de Blogs. Aqueles que contam sobre a vida do autor, diário pessoal, os de humor, os culturais, outros que servem como fonte de informações, etc. Blog é tudo aquilo que usa o sistema Blogging, que se baseia em um site com uma única página, com textos organizados em posts.
Crie o seu agora mesmo e descubra, verdadeiramente, o que é essa nova revolução da internet.Web 2005


Sexta-feira, Fevereiro 11, 2005
web 2005,internet 2005



Quinta-feira, Fevereiro 10, 2005

Paul Sedir



Misticismo Teórico de Paul Sedir

Quem vos recebe a mim me recebe
e quem me recebe recebe aquele que me enviou
Mateus10.40


Se você quer refletir bem sobre estas palavras do Nosso Jesus - não,
não apenas refletir, mas amá-las de paixão imediatamente
saberá o que quero dizer e bem mais ainda. Uma
experiência vivida nas horas de solidão.

As definições que foram dadas ao misticismo são muito diferentes,
porque cada autor posicionou-se sob um ponto de vista diferente. De acordo
com a filosofia oficial, é uma espécie de contemplação na qual o
ser humano une-se à Deus por um método incomprensível. De acordo
com a teologia, é um conhecimento intuitivo realizado no silêncio
das operações racionais do entendimento. De acordo com a etimologia,
qualquer sistema cujos métodos e resultados são secretos é um
misticismo. Neste caso, todos os que pensam ou agem nas regiões
extraordinárias da consciência seriam místicos. Estas
definições são demasiado, ao vocabulário filosófico da
língua francesa falta precisão. Religiosidade, idealismo,
espiritualismo, esoterismo, trascendantalismo,
ocultismo, magia, hermetismo, psiquismo,
teosofía, cábala, gnosis, sufismo, não são expressões
sinónimas entre elas, e sobretudo não são termos equivalentes à
misticismo. Pode-se considerar como místico qualquer homem que,
à alguma religião a que pertença, está unido à Deus único, fazendo
abstração de qualquer criatura e consagrando todas as forças ao
cumprimento da vontade do Pai.

O misticismo não é somente um método de contemplação e
êxtase, é também não apenas a fisiologia da alma, é ainda
muitas outras coisas. Logo que uma criatura entreg-se-ar, do fundo
do coração, nas mãos do Pai, o seu caminho é alterado, os seus
trabalhos, que variam de acordo com as suas faculdades e as
necessidades da evolução geral, não são conduzidos passo a passo, por
agentes espirituais especiais, substituindo os guias comuns cujo cada
homem é fornecido de acordo com a sua profissão e as suas aptidões.
A via mística conduz diretamente ao plano Divino, o Reino da
Misericórdia e o Amor, e o ar que se respira percorrendo-o vem em
direta pauta destes mesmos eternos horizontes.
À certas almas, unicamente absorvidas pelo Absoluto, a ciência
não é suficiente, a religião é demasiado cuidadosa, o
esoterismo demasiado complicado. Detectam uma ciência das
ciências, uma religião das religiões, uma iniciação cujos restos
todos os colégios secretos dão apenas corrompidos. Existe um método
de saber pelo qual o conhecimento é instantâneo, uma religião sem
ritos pela qual o homem ligar-se-a imediatamente ao Pai, uma iniciação
inacessível, mas transmissível gratuitamente, que nós cobre do
poder supremo: fazer-se ouvir por Deus. Em algum lugar, neste vasto
mundo, realiza-se o Mestre dos Mestres, Não não deixa de cumprir nunca com
a confiança de todo aquele que abandona-se entre as Suas mãos
augustas. Uma Luz, silenciosa, invisível, mas inextinguible,
mas inúmera, oferece-se à quem quer apreender, e iluminar as
trevas do seu próprio coração, aqueles abismos, aqueles
firmamentos. Esta Luz adorável é o Amor; e o misticismo é a
ciência do Amor.


É a geometria da alma, se diz. Sim, para pitagóricos, mais para os cristãos é a vida da alma, desenrolando as ondas do seu oculto e muito antigo esplendor, até sobre os seus órgãos mais externos: as nossas faculdades conscientes.

Quanto às forças místicas, serão todos os socorros que Deus envia-nos diretamente,
imediatamente, expressamente, porque nos-é impossível efetuar este trabalho à sós.
O distribuidor único é o que se conheceu como Jésus de Nazareth,
os métodos de invocação destas forças são todos indicados no Evangelho e encontrados únicamente lá.

(Traducido do original francês
por Antonio Carlos Gomes de Castro)








Michel de Saint Martin
escreveu sobre a vida do Conde de Cagliostro
personagem místico



Leia os evangelhos

evangelho canônico e evangelho apócrifo



Quarta-feira, Fevereiro 09, 2005

Afro-americanos cantando Spirituals
(ref. northbysouth.kenyon.edu)


Antonio Carlos Gomes de Castro
gomesdecastro@yahoo.com
autor do blog 2005 todos os direitos reservados



Salvador,Bahia



Símbolos cristãos


Terça-feira, Fevereiro 08, 2005

O sino Cristão


Segunda-feira, Fevereiro 07, 2005
Amarás o teu próximo como a ti mesmo


Domingo, Fevereiro 06, 2005
A História do Carnaval no Cristianismo




Sexta-feira, Fevereiro 04, 2005



O resumo do ensino de Jesus

E Jesus clamou, dizendo: Quem crê em mim crê, não em mim,
mas naquele que me enviou.
E quem me vê a mim vê aquele que me enviou.


João 12.44


Domingo, Janeiro 30, 2005



Gosta de Poesia?
aqui vai uma dica
www.todas.com.br



LIVROS ANTIGOS,escondem grande sabedoria e é sempre bom saber
aonde buscá-los.Uma dica www.livres-mystiques.com



VIVA ISRAEL


60 ANOS DESDE OS CAMPOS DE EXTERMINIO DE AUSCHWITZ

se passaram 60 anos desde os campos de extermínio de Auschwitz aonde morreram 1.500.000 pessoas,
nesta horrível história da nossa raça humana, deste genocidio atroz cometido pelas forças do mal e presididas,
por estas forças anticristãs, com certeza. Que estejamos atentos a estas manifestaçoes anti-humanas para
que não se repita outro Holocausto contra o povo judeu, um povo que foi escolhido por nosso Deus pai como seu,
e do povo que nos enviou o seu filho, para ensinar-nos a amar-nos mais uns aos outros, respeitando, nossas
diferenças, nossas crenças, sem ódio, nem sentimentos de vingança, declarando! Viva o povo judeu!


Sexta-feira, Janeiro 28, 2005

Entrada da Igreja da Natividade em Israel


Quinta-feira, Janeiro 27, 2005

Torah


Our mysticism is based on a Jewish-Christian Tradition





Santo Sudário


Domingo, Janeiro 23, 2005

Catedral em Chiapas no Mexico



Vous êtes actuellement sur le site de :
livres-mystique.com
© 01/05/2003

CONSEILS DE SÉDIR POUR LES «AMITIÉS SPIRITUELLES»
( Seconde Assemblée Générale du 25 Septembre 1921 )

--------------------------------------------------------------------------------

MESDAMES, MESSIEURS, MES AMIS,
Ce m'est une joie profonde de vous retrouver ici pour la deuxième fois et je sais par vos lettres,
par vos entretiens, que vos sentiments vibrent en plein accord. Les labeurs que vous avez
consacrés à notre oeuvre commune donnent déjà des promesses heureuses; avec un courage accru
vous continuerez ces tentatives, j'en suis certain, et je veux aujourd'hui, répondant à votre désir
général, vous indiquer quelques mesures en vue d'économiser vos forces et de mieux coordonner
vos initiatives personnelles.

Nous nous sommes constitués en corps pour les objets suivants:
Rétablir la notion divine partout où elle est abolie; restituer dans le coeur des croyants la foi
active au Père, à notre Père à tous, à son Fils unique, le Verbe Jésus, Sauveur universel; à son
Esprit, l'illuminateur; à la Vierge-Mère enfin, la très humble intercédante.
Par cette jonction de la Lumière éternelle à la Lumière intérieure, rétablir le sentiment de la
fraternité universelle, de la charité, puis de la prière; c'est-à-dire démontrer, puis pratiquer
l'essence nécessaire et suffisante de toute religion: le culte en Esprit et en Vérité.
A cette double fin, nous essayons de trouver dans chaque peuple, et d'abord parmi les
Français, dans chaque province, dans chaque ville, bourg ou village, au moins une âme chrétienne
qui accepte notre idéal et se voue à le réaliser.

Tous ces idéalismes disséminés, nous leur offrons le contact les uns avec les autres, soit par
la Revue, soit par des correspondances, soit par les visites que mes plus anciens Amis, fondateurs
de la Société, et moi, nous leur rendons aussi souvent que les circonstances nous le permettent.
Quand un membre de la Société est seul dans sa résidence, il doit assumer tout le travail
matériel de propagande et d'administration; quand plusieurs membres habitent la même localité,
ils élisent l'un d'entr'eux comme administrateur; de la sorte, notre Association vit selon la loi
organique naturelle: un centre spirituel envoyant des avis, une gérance matérielle venant de la
circonférence, afin que les aspirations évolutives de la créature soient constamment présentées aux
inspirations involutives. Cette loi de la vie sociale, que les plus vieilles civilisations observaient, que
Jésus a renouvelée, nous tentons de l'appliquer à notre tour dans notre tout petit rayonnement.
Ainsi, Mesdames et Messieurs, vous êtes unis tous, que vous vous connaissiez ou non, dans
l'amour de ce Père au service duquel vous vous essayez, et, à la mesure de votre dévouement, cet
amour, qui est le Fils, vous envoie ses bénédictions; s'il s'en trouve parmi vous dont le courage
hésite devant des perspectives extraordinaires, les plus anciens d'entre nous s'offrent à les aider;
enfin, chaque groupe, par la voix de son gérant, présente au Comité central ses besoins, ses
réclamations, ses initiatives. De la sorte, chacun de vous donne individuellement tout son effort avec
la même spontanéité que s'il était seul; en même temps, vous tous, isolés ou groupés, ne formez
qu'un seul être, parce que votre Idéal identique, le Christ, vous tient tous dans ses bras, parce que
vous mettez en commun par la prière toutes vos aspirations surhumaines et, par l'exercice de la
charité la plus large, toutes vos humaines énergies.
***
Le travail que vous avez assumé est de la première importance; vous n'en prendrez jamais trop
soin; aussi n'êtes-vous jamais seuls; mes vieux camarades et moi nous ne sommes pas vos uniques
auxiliaires; d'autres sympathies plus puissantes s'intéressent à vos tentatives et y collaborent. Je ne
fais pas ici allusion à l'ingérence d'esprits désincarnés ou de génies occultes; vous ne devez être ni
des spirites, ni des occultistes, mais seulement des serviteurs du Christ; Il a dit de laisser les morts
et les génies à leurs affaires; vous savez bien que les morts vivent et que l'Invisible est peuplé de
multitudes étranges; ne les dérangez pas. Mais voulant servir le Christ et ne voulant que cela, ayant
mis de côté vos faiblesses sentimentales et vos curiosités intellectuelles, il est logique que, si des
serviteurs visibles du Christ vous aident, des serviteurs invisibles mais parfaits, c'est-à-dire des
anges, vous aident encore bien plus.
Souvenez-vous-en: il y a un invisible naturel et un invisible surnaturel. Le premier, construit
par les fluides physico-chimiques, éthériques, astraux, est peuplé de tous les esprits élémentaires,
de tous les fantômes des défunts, de tous les génies, de tous les dieux imaginables; c'est l'âme de ce
monde. Le second, c'est le Royaume du Ciel que Jésus emmène partout avec lui et que lui seul
habite avec ses anges innocents, avec ses serviteurs parfaits. C'est ce Royaume-là dont vous recevez
le secours, la force, l'inspiration, si cependant vous obéissez d'abord à ses lois.
Ainsi, ce n'est pas moi qui vous ai appelés, ce n'est pas par moi que vous obtenez l'aide
spirituelle; vous n'êtes pas les sectateurs d'un doctrinaire, nous ne sommes pas une mille-et-unième
petite chapelle: nous essayons seulement de ranimer le flambeau du Christ là où il vacille. Or, le
Christ a placé partout des flambeaux, et partout l'Adversaire essaie de les éteindre. Comme il est
vaste, notre travail, mes Amis, comme il est splendide, comme il est enivrant !
Aussi notre oeuvre publique sera-t-elle de l'apostolat plus que de la propagande. L'homme doit
toujours s'affirmer par ce qu'il possède de plus haut; quoi de mieux que l'Évangile? Parlez donc
du Christ d'abord, de notre oeuvre ensuite et s'il vous reste du temps; vivez en chrétiens d'abord
et vous serez les plus éloquents prédicateurs.
L'apostolat, la véritable propagande mystique, consiste simplement à vivre de la vie parfaite:
renonçant à tout plaisir, se résignant à toute peine, se dévouant à tous, comme a fait Jésus, et
demeurant persuadé qu'avec toutes ces fatigues et tous ces sacrifices on reste un serviteur inutile.
Lorsqu'on fait cela, il n'est plus besoin de science pour parler de Dieu: un mot, un regard suffisent
à bouleverser le coeur le plus sceptique.
Il y a aussi la propagande des gens pratiques, des hommes d'affaires, des politiciens: mais que
cette méthode est grossière, qu'elle est superficielle et, en somme, inopérante !
Vous pouvez, puisque vous n'êtes ni des matérialistes, ni encore des mystiques parfaits, suivre
une méthode mixte pour votre propagande. Parler aux gens, leur donner des brochures, les
convoquer à des réunions, recueillir des adresses, fournir des livres aux bibliothèques publiques, en
prêter à vos visiteurs: toute cette propagande matérielle, spiritualisez-la en vivifiant chacun de ces
gestes par une prière ou par un sacrifice; chaque fois, demandez à Dieu qu'il illumine votre
interlocuteur, ou bien privez-vous d'un petit plaisir, imposez-vous une petite corvée à cette intention:
vous ferez ainsi descendre une étincelle du Foyer divin sur cette brochure, ce livre, cette conférence
ou cet entretien, et si même votre parole est embarrassée ou votre geste prématuré, ils fructifieront
à cause de votre humble et fervente foi.
Mais, croyez-le bien, la bienfaisance au nom du Christ reste le plus fructueux des apostolats.
Si vous avez du superflu, je préfère vous le voir donner vous-mêmes à vos pauvres que de le
recevoir pour les besoins matériels de l'oeuvre. Je préfère vous voir auprès des malades qu'à mes
conférences. Je préfère vous entendre consoler des chagrins plutôt que discuter des théories. Si notre
Association fait la volonté de Dieu, Dieu lui enverra bien de quoi payer le propriétaire et
l'imprimeur; si je me souciais des factures avant de me soucier de vous maintenir dans le chemin
du Christ, je trahirais la cause au nom de laquelle je vous ai sollicités.

***
Vous tous donc qui m'avez offert votre sympathie profonde et le meilleur de vous-mêmes, soit
depuis un an, soit depuis cinq, ou quinze, ou vingt ans, que l'insuccès possible, que le succès surtout
de nos efforts ne vous cachent jamais la splendeur de notre but, n'altèrent jamais l'indispensable
pureté de nos méthodes. Prenez confiance, résistez à tous les doutes, maintenez votre vouloir dans
l'éternel: ainsi vous triompherez réellement du temporel.
Il est inutile de déclarer en public le détail de vos oeuvres pendant la session qui se termine
aujourd'hui; notre mutuelle confiance, de vous à moi, nous suffit, et notre main droite, ainsi, ne
saura pas ce qu'a donné notre main gauche. Mais ce que je désire vous voir entreprendre, ce que
j'attends encore de la fidélité de votre collaboration: cela, je peux et je dois vous le dire.
Il ne s'agit que de simple bon sens et de sincérité. De sincérité, parce que ni vous ni moi ne
travaillons pour nous-mêmes; de simplicité, parce que le bon sens est le sens même du Vrai; j'espère
ainsi convaincre ceux qui ne me comprennent pas encore complètement, afin qu'à leur tour, ils
éclairent ceux qui nous connaissent mal et nous amènent ceux qui ne nous connaissent pas.
Notre mouvement est fils de l'amitié; il existe par l'amitié; il se perpétuera par l'amitié. Lors
de notre première session, j'ai rendu un hommage trop rapide à la ferveur et à la constance de mes
vieux compagnons de travail de qui le dévouement n'a jamais faibli, dont quelques-uns dépensent
depuis plus de vingt années toutes leurs forces au service de cette Amitié Spirituelle, et qui n'en
attendent rien que la joie du bon ouvrier achevant avec une sereine constance sa longue tâche
obscure. Je sais bien que ce n'est pas l'homme, en eux, mais le Christ, par qui cet héroïque labeur
est mené à bout; le Christ, avant de descendre en eux, avant de les renouveler, de les dresser,
impavides et forts, comme les chevaliers errants de la plus noble des causes, avant de s'établir en
eux, le Christ, dis-je, a attendu la libre offrande de leur libre bonne volonté. Pour cet
hommage-lige, pour cette fiance, pour cet holocauste où ils furent à la fois prêtres et victimes, mes
Amis de la première heure m'apparaissent admirables et jamais je ne leur dédierai une gratitude
trop fervente.
Ils ont peiné avec joie, s'encourageant, se relayant, s'exhortant; pas à pas, borne après borne,
nous avons fait l'étape; une autre s'ouvre maintenant qu'il nous faudra fournir. L'effort sera-t-il
moindre, pire, égal? Nous l'ignorons, mais, avec l'aide du Ciel, nous devons nous déclarer prêts.
Sans doute, tout ce que nous disons a été dit et bien dit; tout ce que nous faisons a été fait et
bien fait, depuis vingt siècles, par les premiers disciples, par les premiers moines de chaque ordre,
par plusieurs saints, clercs ou laïques. Mais nos contemporains sont aussi fermés aux choses divines
que les rhéteurs d'Athènes ou d'Ephèse, de Rome ou d'Alexandrie: nous avons donc beaucoup
d'ouvrage; or, nous avons aussi une grosse facilité: c'est que nous ne sommes pas des professionnels
en matière de religion; et ceci n'est pas un paradoxe.
Nous ne possédons pas notre affaire comme des docteurs en Sorbonne; nous ne sommes pas
habillés de dix-neuf siècles de théologie, de conciles et de liturgies; nous ignorons les formules
scolastiques, les tours-de-main psychologiques, les traditions de forme, les manuels commodes où
l'on trouve rangés en bel ordre les objections et les arguments de l'apologétique, les évaluations de
la casuistique, les énumérations de la symbolique, les décisions, les bulles et les encycliques. Voilà
notre faiblesse et notre don-quichottisme, au gré des gens d'Église; pour tous ces prêtres éminents
et vénérables, nous ne sommes que des amateurs, de fâcheux et insupportables amateurs, qui
piétinent dans les plates-bandes et qui démolissent les règles du jeu.
Mais je vois dans le Dictionnaire que, selon l'étymologie, un amateur est celui qui aime;
aussitôt notre vice rédhibitoire devient à mon sens notre vertu, je veux dire notre force. Nous
aimons ce que nous faisons; nous aimons Jésus, nous aimons son service qui est de servir nos frères,
comme nous pouvons, mais tant que nous pouvons. Nous bousculons les règles? Peut-être; nous
n'observons pas les coutumes? peut-être. Mais les traditionalistes ne distraient-ils pas une trop forte
part de leur intelligence et surtout de leur âme à obéir à ces traditions et à ces méthodes ? Peut-être
les observent-ils avec un souci tellement attentif qu'ils n'aperçoivent plus l'essence spirituelle dont
elles ne sont destinées qu'à être le manteau ?
***
Malgré nos gaucheries, nos excès de zèle, nos ingénuités, restons des amateurs. Plaise au Ciel
de nous conserver notre juvénile amateurisme ! Ce n'est pas par la présentation de nos idées que
nous voulons convaincre; c'est par la flamme dont elles nous embrasent. Ce n'est pas par
l'importunité que nous voulons prendre le public: c'est par la qualité de nos efforts que nous
désirons attirer les chercheurs épars. Nous sommes nés d'un groupe amical, nous sommes des amis
collaborant à la même oeuvre: nous resterons des amis, ou bien nous disparaîtrons. Pour nous,
l'Amitié c'est le culte du même idéal, l'observance de la même discipline, la réalisation des mêmes
activités; et parce que notre idéal se nomme le Christ; notre discipline, l'Évangile; nos activités, la
bienfaisance et la prière, nous croyons notre Amitié la plus pure, la plus haute, la plus solide.
Les agrandissements fructueux de nos groupes ne seront pas des augmentations numériques,
mais surtout des multiplications en intensité de notre flamme collective, des engendrements de
vouloirs nouveaux, jaillis de vos ferveurs silencieuses et de vos sacrifices inconnus; que la liste de
nos membres, de nos comités, de nos publications, de nos tentatives philanthropiques s'allonge: je
le veux bien, mais à condition que le zèle de chacun s'exalte d'abord et se hausse jusqu'à l'ardeur
invincible qui est l'atmosphère normale des amis de Dieu.
Nos correspondants, nos lecteurs, nos auditeurs, paient la satisfaction intellectuelle ou le
soulagement qu'ils reçoivent par le prix d'un livre, d'un abonnement, d'une conférence: mais, en
plus, très souvent la joie nous est donnée de les voir revenir; très souvent le besoin personnel, cause
de leur première visite, se change en intérêt sympathique. Ils se disent que la certitude de leur
pensée, l'apaisement de leur coeur, l'obstacle matériel que l'un de nous, parfois, les a aidés à
franchir: bien d'autres seraient, comme ils le furent, désireux d'être aussi aidés; ils reviennent donc
nous voir; ils s'aperçoivent que, toutes « spirituelles » qu'elles soient, nos Amitiés ont besoin de
locaux, d'imprimés, de bibliothèques, de vestiaires, de secrétariats, d'argent pour les miséreux; ils
se font inscrire à la Société, et leur cotisation sert à celles de nos dépenses qui dépassent les moyens
personnels des membres déjà enrôlés.
Ainsi, après avoir été aidés, ces nouveaux collaborateurs aident à leur tour et de la façon la
plus pure, puisque les souffrances que nous soulageons avec leur argent leur restent inconnues et
que eux-mêmes restent inconnus à leurs obligés: ainsi, Mesdames et Messieurs, vous réalisez à la
perfection la maxime évangélique: « Que ta main gauche ignore ce que fait ta main droite. »
Voilà comment nous nous accroissons: tout naturellement, tout bonnement, tout simplement.
Quand nous nous sommes constitués, nous savions bien que notre projet ressemblait fort à une
utopie: l'utopie est devenue réalité. Nous savons bien que notre existence est un paradoxe: à votre
tour, croyez à l'avenir de cette utopie, désirez qu'elle grandisse, faites pour cela quelques gestes,
prononcez pour cela quelques paroles; afin que nous puissions atteindre des détresses de plus en plus
nombreuses.
Notre vie tient toute dans l'effort personnel de chacun de vous. Faites cet effort. Si vous n'avez
pas d'argent, donnez un peu de temps; si vous n'avez ni temps ni argent, donnez vos voeux,
c'est-à-dire vos prières; la moindre privation, le moindre jeûne moral, que vous seul connaîtrez, le
Christ les acceptera et les utilisera en multipliant leur vertu.
Nous sommes bien peu à côté des dizaines de milliers de membres des grandes Ligues
utilitaristes. Mais serions-nous réduits à deux ou trois, nous existerions quand même. avec la même
confiance inentamée, avec la même volonté de servir notre Maître. Pour une cinquantaine d'entre
nous, la bonne moitié de l'étape est fournie; après, d'autres marcheurs reprendront notre cher
flambeau.
***
Lorsque vous parlez des Amitiés Spirituelles, soyez attentifs à donner de nous une idée juste
et claire, à dissiper les malentendus, innocents ou perfides. En général, on se trompe sur notre
compte: on nous prend pour des rêveurs ou pour des malins; c'est que les idéalistes échouent
d'ordinaire dans leurs entreprises, c'est que l'on a trop usé de la confiance du public. Nous voulons
être des gens pratiques, et nous sommes surtout des gens sincères. Sans doute, les Amitiés Spirituelles
obtiennent quelque succès; sans doute nous existons, et le fait que nous sommes encore là est un défi
au bon sens pratique des hommes d'affaires; mais que ces symptômes ne vous paraissent pas comme
le succès. Quand, à la fin de chaque mois, sur nos registres, Besson et moi, nous comptons les
infortunes ou les chagrins que nous avons eu la joie de soulager, c'est à la multitude restante des
malheureux que nous pensons, à cette foule dolente que nous n'avons pu atteindre.
Sans doute on parle de nous, parfois avec estime, parfois avec dédain. Mais ce n'est pas cela
que nous désirons; nous désirons qu'on vienne travailler avec nous et qu'on nous apporte du travail.
Vous lisez nos livres, vous nous écoutez: cela ne suffit pas. On ne songe pas toujours à la peine que
prennent plusieurs d'entre nous, nos administrateurs de comités ou de permanence, par exemple,
pour préparer ces réconforts. Vous le savez, la plupart de ces hommes, quand leur journée
professionnelle est finie, repartent pour recommencer une seconde journée de dévouement, et
certains font cela depuis des années. Quand vous parlez de nous à des étrangers, souvenez-vous de
ces détails, non pas pour les leur redire, mais pour trouver dans votre émotion des paroles plus
directes et plus vraies.
Ainsi que votre sympathie ne s'endorme pas; qu'elle continue plutôt de s'alarmer. Chaque soir,
mes Amis et moi, nous constatons des lacunes, des impossibilités devant lesquelles nous sommes
impuissants; et chacun de vous a goûté cette amertume de n'avoir pu étancher quelques larmes faute
d'un peu de temps, d'un peu d'argent, faute d'un renseignement, d'une adresse, d'une
recommandation. Vous me répondrez: « Vendez vos publications plus cher, élevez vos cotisations. »
Non, nous ne voulons pas; le public le plus intéressant, c'est celui-là même dont la bourse est
maigre. D'autre part nous ne pouvons pas proportionner nos dépenses à nos recettes; quand, dans
la soirée, on vient nous demander un secours, nous ne pouvons pas répondre: Le crédit du jour est
épuisé; nous prenons sur la recette hypothétique du lendemain; nous vivons par empiétements
continuels sur l'avenir, et nous croyons avoir raison deux fois: pratiquement et mystiquement.
Pratiquement, car vivoter n'est pas vivre, c'est retarder de mourir, et qui ne s'accroît pas, décroît.
Mystiquement, car la confiance en Dieu commence à l'impossible, et puisque nous ne nous
hasardons pas pour nous, mais pour d'autres, le Ciel aidera notre optimisme.
Les Amitiés Spirituelles, ce n'est pas une affaire commerciale, c'est une entreprise apostolique.
Un auteur en vogue, un orateur célèbre, ils présentent toujours le même livre, en somme, toujours
le même discours, et ils s'en font des rentes, parce que leur langage plaît au public, ne le déconcerte
pas, lui laisse bien ses opinions toutes faites et ses habitudes, et ne lu


You have a lot of reference books about this thema,take a look in
Divinity School by Yale University,there You will find a lot of interesting things.


Quarta-feira, Janeiro 19, 2005









Segunda-feira, Janeiro 17, 2005
As três formas de amor: Eros, Philos, Ágape
Em 1986, enquanto fazia o caminho de Santiago com Petrus, o meu guia, passamos pela cidade de Logroño enquanto se realizava um casamento. Pedimos dois copos de vinho, preparei um prato de canapés, e Petrus descobriu uma mesa onde pudéssemos sentar junto com outros convidados.
O casal de noivos cortou um imenso bolo.
¿ Eles devem se amar ¿ pensei em voz alta.
¿ É claro que eles se amam ¿ disse um senhor de terno escuro que estava sentado na mesa. Você já viu alguém casar por outro motivo?
Mas Petrus não deixou passar a pergunta:
¿ A que tipo de amor o senhor se refere: Eros, Philos ou Ágape?
O senhor olhou sem entender nada.
¿ Existem três palavras gregas para designar o amor ¿ disse ele. ¿ Hoje você está vendo a manifestação de Eros, aquele sentimento entre duas pessoas.
Os noivos sorriam para os flashes e recebiam cumprimentos.
¿ Parece que os dois se amam. Dentro de pouco tempo estarão lutando sozinhos pela vida, vão montar uma casa, e vão participar da mesma aventura: isto engrandece e torna digno o amor. Ele vai seguir sua carreira, ela deve saber cozinhar e será uma excelente dona-de-casa, porque foi educada desde criança para isto. Vai acompanhá-lo, terão filhos, e se conseguirem construir alguma coisa juntos, serão realmente felizes para sempre.
¿De repente, entretanto, esta história pode acontecer de maneira inversa. Ele vai começar a sentir que não é livre o suficiente para manifestar todo o Eros, todo o amor que tem por outras mulheres. Ela pode começar a sentir que sacrificou uma carreira e uma vida brilhante para acompanhar o marido. Então, ao invés da criação conjunta, cada um irá sentir-se roubado em sua maneira de amar. Eros, o espírito que os une, irá começar a mostrar apenas seu lado mau. E aquilo que Deus havia destinado ao homem como seu mais nobre sentimento, passará a ser fonte de ódio e destruição.
Olhei em volta. Eros estava presente em vários casais. Mas eu podia sentir a presença de Eros Bom e Eros Mau, exatamente como Petrus havia descrito.
¿ Repare como é curioso ¿ continuou meu guia. ¿ Apesar de ser bom ou ser mau, a face de Eros nunca é a mesma em cada pessoa.
A banda começou a tocar uma valsa. As pessoas foram para um pequeno espaço de cimento em frente ao coreto para dançar. O álcool começava a subir e todos estavam mais suados e mais alegres. Notei uma menina vestida de azul, que deve ter esperado este casamento apenas para que chegasse o momento da valsa, porque queria dançar com alguém com quem sonhava estar abraçada desde que entrou na adolescência. Seus olhos seguiam os movimentos de um rapaz bem vestido, de terno claro, que estava numa roda de amigos. Eles conversavam alegremente, não haviam percebido que a valsa tinha começado, e não notavam, a alguns metros de distância uma menina de azul que olhava insistentemente para um deles.
Pensei nas cidades pequenas, nos casamentos sonhados desde a infância com o rapaz escolhido.
A menina de azul reparou meu olhar e saiu de perto. E como se todo o movimento estivesse combinado, foi a vez do rapaz procurá-la com os olhos. Ao descobrir que ela estava perto de outras garotas, voltou a conversar animadamente com os amigos.
Chamei a atenção de Petrus para os dois. Ele acompanhou durante algum tempo o jogo de olhares, e depois voltou ao seu copo de vinho.
¿ Agem como se fosse uma vergonha demonstrar que se amam ¿ foi seu único comentário.
Outra menina olhava fixamente para nós dois: devia ter metade de nossa idade. Petrus levantou o copo de vinho, fez um brinde, a garota riu encabulada, e fez um gesto apontando para os pais, quase se desculpando por não chegar mais perto.
¿ Este é o lado belo do amor ¿ disse. ¿ O amor que desafia, o amor por dois estranhos mais velhos que vieram de longe, e amanhã já partirão por um caminho que ela também gostaria de percorrer. O amor que prefere a aventura.
Em seguida, continuou, apontando para um casal de velhos:
- Veja aqueles dois: não se deixaram contagiar pela hipocrisia, como muitos outros. Pela aparência deve ser um casal de lavradores: a fome e a necessidade os obrigou a superarem juntos muitas dificuldades. Descobriram a força do amor através do trabalho, que é onde Eros mostra sua face mais bela, também conhecida como Philos.
¿ O que é Philos?
¿ Philos é o Amor sobre a forma de amizade. É aquilo que eu sinto por você e pelos outros. Quando a chama de Eros não consegue mais brilhar, é Philos que mantém os casais juntos.
¿ E Ágape?
¿ Ágape é o amor total, o amor que devora quem o experimenta. Quem conhece e experimenta Ágape, vê que nada mais neste mundo tem importância, apenas amar. Este foi o amor que Jesus sentiu pela humanidade, e foi tão grande que sacudiu as estrelas e mudou o curso da história do homem.
¿Durante os milênios da história da Civilização, muitas pessoas foram tomadas por este Amor Que Devora. Elas tinham tanto para dar ¿ e o mundo exigia tão pouco ¿ que foram obrigadas a buscar os desertos e lugares isolados, porque o Amor era tão grande que as transfigurava. Viraram os santos ermitões que hoje nós conhecemos.
¿Para mim e para você, que experimentamos outra forma de Ágape, esta vida aqui pode parecer dura, terrível. Entretanto, o Amor que Devora faz com que tudo perca a importância: estes homens vivem apenas para serem consumidos pelo seu Amor.¿
Deu um pausa.
¿ Ágape é o Amor que Devora ¿ repetiu mais uma vez, como se esta fosse a frase que melhor definisse aquela estranha espécie de amor. ¿ Luther King certa vez disse que, quando Cristo falou de amar os inimigos, estava referindo-se à Ágape. Porque, segundo ele, era ¿impossível gostar de nossos inimigos, daqueles que nos fazem mal, e que tentam amesquinhar mais o nosso sofrido dia-a-dia.¿
¿Mas Ágape é muito mais que gostar. É um sentimento que invade tudo, que preenche todas as frestas, e faz com que qualquer tentativa de agressão se torne pó.
¿ Existem duas formas de Ágape. Uma é o isolamento, a vida dedicada apenas à contemplação. A outra é exatamente o contrário: o contacto com os outros seres humanos, e o entusiasmo, o sentido sagrado do trabalho. Entusiasmo significa transe, arrebatamento, ligação com Deus. O Entusiasmo é Ágape dirigido a alguma idéia, alguma coisa.
¿Quando amamos e acreditamos do fundo de nossa alma em algo, nos sentimos mais fortes que o mundo, e somos tomados de uma serenidade que vem da certeza de que nada poderá vencer nossa fé. Esta força estranha faz com que sempre tomemos as decisões certas, na hora exata, e ficamos surpresos com nossa própria capacidade quando atingimos o nosso objetivo.
¿O Entusiasmo se manifesta normalmente com todo o seu poder nos primeiros anos de nossas vidas. Ainda temos um laço forte com a divindade, e nos atiramos com tal vontade aos nossos brinquedos, que as bonecas passam a ter vida e os soldadinhos de chumbo conseguem marchar. Quando Jesus falou que era das crianças o reino dos Céus, ele se referia a Ágape sob a forma de Entusiasmo. As crianças chegaram até ele sem ligar para seus milagres, sua sabedoria, os fariseus e os apóstolos. Vinham alegres, movidas pelo Entusiasmo.
¿Que em momento algum, pelo resto deste ano, e pelo resto de sua vida, você perca o entusiasmo: ele é uma força maior, voltada para a vitória final. Não se pode deixar que ele escape por nossos dedos só porque nos enfrentamos, no decorrer dos meses, com pequenas e necessárias derrotas¿.



Atenção
No mês de junho 2005, faça uma viagem virtual de 14 dias, com Paulo Coelho, através da ferrovia Transiberiana, indo de Moscou até Vladivostok (Oceano Pacífico). Teremos uma webcam dentro e fora do trem, e todos os dias teremos um chat com leitores, uma mensagem, fotos, e as anotações de Paulo Coelho sobre a viagem.

A ferrovia Transiberiana se extende por mais de 9.000 kms., e atravessa 7 diferentes fusos horários.


--------------------------------------------------------------------------------
Se quiser fazer parte desta aventura, por favor inscreva-se aqui. Você será atualizado das datas a medida que o projeto for sendo desenvolvido.

"Guerreiro da Luz Online" www.paulocoelho.com.br



Domingo, Janeiro 16, 2005

Ultima Ceia (Leonardo da Vinci)



Rabindranath Tagore
Poeta Bengalí




Santo Agostinho




Visite este site,e um dos melhores do Brasil

http://www.sitecurupira.com.br


"Ousaram acusar de amor ao lucro àquele que, saindo de casa
com um bom sobretudo no inverno,voltava de paletó,porque achara,
no caminho,um infeliz que tremia de frio.Pretenderam arranjar
pretexto para apoiar essa calúnia,e a voz do povo,em três palavras
bem maiores que muitas belas frases,respondeu:

MESTRE PHILIPPE É O PAI DOS POBRES!"

escrito pelo Conde Leo de Mascheville
e Doutor Philippe Encausse
"Mestre Philippe de Lyon"


¨Irmão misterioso do Senhor,
arauto do Absoluto
reconhecer isto é
conhecer um místico.

Paul Sedir ( Yvon Le Loup )


Sábado, Janeiro 15, 2005
O céu é a experiência de compartilhar a alegria,
a paz e o amor de Deus na plena capacidade humana.
Padre Lawrence Freeman (meditação cristã)


Quinta-feira, Janeiro 13, 2005



Minha intenção e fazer amizades espirituais e
compartilhar expêriencias na mística cristã.


Robert Fludd
"Robertus de Fluctibus"
Místico Inglês Formado em Medicina em Oxford e falecido em 1637


Quarta-feira, Janeiro 12, 2005

São Francisco Stigmata


A Biblia










Dalai Lama e Padre Lawrence Freeman



Johann Wolfgang von Goethe






Maitre Philippe de Lyon
O pai dos pobres



Dalai Lama e Padre Lawrence Freeman que tive o prazer de conhecer
num encontro na Puc Rio e conversar com ele sob meditação cristã




Meu filho Junior e uma amiga em Hamburgo, na Alemanha no Natal


Terça-feira, Janeiro 11, 2005

O BOM PHILIPPE



Conde Leo de Mascheville ( Sevananda )



SARVANANDA



Papus (Dr. Gérard Anaclet-Vincent Encausse (1865-1916)








Esta e uma das primeiras bandeiras brasileiras






Bandeira Portuguesa



Esta rosa e para você


Antonio Carlos Gomes de Castro e o autor deste blog para você
Rio de Janeiro





Mapa do Brasil




TOMAR



Jacques de Molay, chefe dos cavalheiros templarios






Imagem de Saturno recente cedida pela Nasa